• Genara Rigotti

10 grandes tendências de Internet das Coisas para 2020


O Gartner prevê que o mercado corporativo da Internet das Coisas (IoT) cresça para 5,8 bilhões de dispositivos em 2020, um aumento de 21% em relação a 2019.


Indo mais além, a Statista Research Department projeta que a base total instalada de dispositivos conectados à Internet das Coisas deverá atingir 75,44 bilhões em todo o mundo até 2025.


A Internet das Coisas, possibilitada pela já onipresente tecnologia da Internet, é o próximo passo importante no cumprimento da promessa de tornar o mundo um lugar conectado.


Neste post vamos nos dedicar a mostrar 10 tendências de uso potencial em 2020 segundo a Forrester Research e a Datafloq. Continue a leitura!


10 utilizações da Internet das Coisas em 2020


O uso da Internet para conectar produtos e operações físicas a sistemas digitais comerciais evoluiu muito desde suas raízes, como simples etiquetas RFID. A Internet das Coisas (IoT) está proliferando entre produtos de consumo, operações industriais e cadeias de suprimentos.


Em 2020, o uso comercial da IoT continuará se expandindo à medida que for adicionada a mais produtos e operações comerciais. Assim como o mercado espera experiências digitais atualizadas, os consumidores começarão a esperar o mesmo das experiências no mundo físico.



1- Ascensão da IIoT


Graças à IIoT, é possível ter ajuda com os problemas em máquinas desde o início, com a assistência de sensores que são úteis para os responsáveis ​​pelo manuseio da manutenção preventiva. Dessa forma, os problemas podem ser identificados antes de enviar os técnicos para encontrar o problema.


A Internet das Coisas encontrou seu caminho em fábricas inteligentes. A IoT e os dispositivos vestíveis conectam o chão de fábrica à gerência, e os trabalhadores têm uma perspectiva clara das condições e segurança da fábrica.


Também ajuda a aumentar o gerenciamento de tempo e a segurança. Os gerentes podem monitorar a produtividade e o movimento dos funcionários usando dispositivos que registram suas atividades digitais.



2- Lançamento de um ecossistema de produtos


As coisas conectadas criam um fluxo constante de comunicação entre o cliente e o fabricante. Elas também criam custos contínuos para os fabricantes, que precisam monitorar experiências e enviar atualizações de software.


As empresas estão buscando novas fontes de receita para seus produtos conectados para compensar esses custos. Em 2020, a Forrester prevê que grandes consumidores e fornecedores B2B converterão as vendas de produtos em uma oferta de serviços de IoT, apoiada por parceiros em um ecossistema.


3- Integração 5G em novos projetos


Os últimos dois anos foram preenchidos com o hype em torno das redes móveis 5G, com suas promessas de alta velocidade e baixa latência. Embora 2019 tenha visto o início das capacidades do 5G, 2020 trará (fora do Brasil) da promessa à realidade.


Antes dos recursos 5G, muitos dispositivos IoT transmitiam dados usando tecnologias de rede sem fio de baixa potência (LoWPAN). O LoWPAN, também conhecido como 6LoWPAN, é uma rede sem fio na qual cada nó mantém seu próprio endereço IPv6.


Os nós se conectam diretamente à Internet usando padrões abertos, permitindo que os dispositivos se comuniquem de maneira econômica por meio de uma rede sem fio de baixa potência.


À medida que o 5G se torna mais popular, ele não substitui as redes LoWPAN existentes, mas as aumenta, de acordo com o relatório. Isso significa que muitos setores continuarão usando as tecnologias LoWPAN, mas usarão soluções 5G para recuperar informações, passando dados para redes de telecomunicações a caminho de destinos como a nuvem.

4- A ascensão das cidades inteligentes


O ano de 2020 vai ver o surgimento de cidades inteligentes. Projetos já estão em andamento inclusive no Brasil, com muitos locais usando dispositivos de IoT para conectar semáforos e serviços públicos. O conceito de cidades inteligentes vai se espalhar por todo o mundo.


Elas se concentrarão em uma vida confortável, melhorando os aspectos financeiros, ambientais e sociais da vida urbana. À medida que a população aumentar, as cidades inteligentes serão essenciais para melhorar a qualidade de vida e a sustentabilidade.

5- IA e coleta de dados


A Analytics Insights prevê a implementação da Inteligência Artificial para transformar dispositivos conectados à IoT em um assistente de tomada de decisão para indivíduos e organizações.


Como a IoT compreende bilhões de dispositivos conectados à nuvem, cada um deles desempenha o papel de ser coletor de dados. Se todos os dispositivos conectados estão coletando dados, é uma quantidade enorme que precisa ser aproveitada para tomar melhores decisões.


Estabelecer um sistema inteligente e de autoaprendizagem deve ser o principal objetivo por trás do desenvolvimento da IoT. Com a ajuda de um sistema de aprendizado de máquina, as organizações podem interpretar tendências e insights a partir do carregamento de dados e melhorar as várias áreas que envolvem a tomada de decisões.

6- Adoção da IoT na área da saúde


O setor de saúde verá uma maior adoção de dispositivos IoT. A Frost e Sullivan diz que a Internet das Coisas médicas tem potencial para crescer a uma taxa anual de 26,2% e atingir US$ 72 bilhões até 2021.


Dispositivos portáteis, equipamentos médicos e sensores, juntamente com monitores de saúde e outra variedade de dispositivos médicos são configurados para se conectar à IoT.


Além disso, assistentes virtuais e aplicativos móveis de saúde permitem que profissionais e famílias monitorem a saúde do paciente em casa. Existem wearables e implantes inteligentes, que comunicam os parâmetros do paciente e até carros inteligentes que observam os sinais vitais dos pacientes quando estão viajando.


7- Participação do Big Data


Embora IoT e Big Data sejam conceitos diferentes, eles estão conectados. A quantidade de dados que requer processamento e análise aumentaria significativamente com bilhões de dispositivos conectados à IoT para consumidores e indústrias. O objetivo é extrair o máximo de informações dos dados coletados que podem ser processados.


O processamento de grandes quantidades de dados requer métodos de engenharia artificial. A fusão de IA, IoT e Big Data resulta em uma gama inovadora de aplicativos e avanços gerais. Quando as empresas as fundem e as usam juntas, os processos do dia a dia se tornam mais inteligentes.


8- Utilização do Blockchain


O Blockchain é criptograficamente seguro, pois registra um sistema de contabilidade dividido que permite a transferência de dados entre duas partes.


O sistema tradicional que usa a IoT possui uma estrutura centralizada e, com análises, as informações são enviadas do dispositivo para a nuvem e, em seguida, de volta ao dispositivo. A maioria dos gadgets de IoT é executada em uma rede centralizada.


Como se verá bilhões de dispositivos de Internet das Coisas, os usuários podem ficar vulneráveis ​​a ameaças cibernéticas, pois o estado atual não garante flexibilidade. Há uma ameaça de possíveis fragilidades a serem expostas por meio de uma arquitetura centralizada.


Com confiança e segurança sendo um problema essencial, o Blockchain é vital para proteger os dados. Contratos inteligentes permitem que dispositivos conectados à IoT operem com segurança por meio do Blockchain. Isso só pode ser concluído após o cumprimento de determinados requisitos.


9- Escassez de habilidades da IoT


De acordo com uma pesquisa da Canonical, 68% das empresas ainda lutam para contratar especialistas em IoT. O último relatório da Tech Cities Job Watch da Experis mostrou um aumento de 35% na demanda por habilidades tecnológicas, à medida que as empresas buscam aproveitar o poder da IoT.


O relatório Tech Cities Job Watch observou que a IoT aumentou enormemente o número de dispositivos conectados e explodiu o volume de dados que as empresas precisam processar. Como resultado, as funções de Big Data são importantes para proporcionar sucesso na IoT.


O relatório constatou que as empresas estavam dispostas a pagar por essas habilidades, com profissionais de Big Data comandando de longe os maiores salários e taxas diárias de qualquer outra disciplina de tecnologia analisada.


Como os dispositivos conectados também criam muito mais vulnerabilidades às ameaças cibernéticas para as empresas enfrentarem, as habilidades de segurança também estão em demanda, segundo o relatório. Houve um aumento de 24% na demanda por fornecedores de segurança de TI.


As empresas estão eliminando urgentemente falhas de segurança de curto prazo e usando contratados para treinar os funcionários existentes em toda a empresa. E estão mudando o foco para esse modelo de contratante mais flexível para segurança de TI, em resposta às demandas de IoT.


As universidades não conseguem acompanhar a demanda. Portanto, para lidar com essa escassez, as empresas estabeleceram programas de treinamento interno para montar suas próprias equipes, aprimorando as habilidades de suas próprias equipes de engenharia e treinando novos talentos. Essa tendência continuará, representando uma oportunidade para novos engenheiros e um desafio para as empresas.



10- Segurança será prioridade


Devido à ampla adoção da IoT, o número de dispositivos conectados está aumentando. Isso leva a rede a expandir, os dados a aumentar e coloca mais informações em risco.


O ano de 2020 precisa de sistemas de segurança IoT aprimorados. E essa necessidade surge das complexidades da tecnologia IoT. Até agora, os ciberataques têm como alvo empresas, com os criminosos invadindo sistemas internos de computador.


Este ano é esperado ver ataques em produtos que estão nas mãos dos clientes. Ramsonware vão bloquear a conexão ou operação de dispositivos conectados, como iluminação doméstica ou máquinas, até que o consumidor pague um grande resgate.


#internetdascoisas

#iot

#internetindustrial

#iiot

#cidadesinteligentes

#inteligênciaartificial

#bigdata

#blockchain


Gostou das tendências em IoT para 2020? Então continue lendo o blog para conhecer mais sobre Internet das Coisas!

0 visualização

CONTATO

  • LinkedIn ícone social
  • Instagram
  • Facebook Social Icon

© 2020 por Associação Brasileira de Internet Industrial